Todos temos dificuldades. Por mais que tenhamos a vida amena, em algum momento nos defrontamos com alguma situação alheia à nossa vontade, que nos traz sofrimento, decepção, e muitas vezes, frustrados, corremos o risco de entrar em desespero.

Suportar as vicissitudes da vida sem uma estrutura espiritual forte é muito difícil, e só mesmo quando já se tem uma grande confiança em Deus se consegue administrar com simplicidade e correção estes obstáculos que surgem à nossa frente com o objetivo de nos aprimorar.
Jesus foi enfático quando disse:

– Vinde a mim todos que se encontram cansados e oprimidos e eu os aliviarei, porque o meu fardo é leve e o meu jugo é suave.

O que Jesus queria dizer é que quem faz a escolha pela sua orientação atravessa com mais serenidade os problemas da vida, porque tem a seu favor a fé, que fortalece e sustenta.

Tendo a confiança num poder superior como balizadora de nossas vidas, deixamos de supervalorizar os bens materiais dando também importância aos bens espirituais, que são os que proporcionam ao espírito imortal a felicidade verdadeira. Todas as demais formas de felicidade são transitórias. Todas as demais estão sujeitas à perda.
O carro, a casa, o emprego, os animais de estimação, o companheiro, tudo o que desfrutamos aqui, e que pertença ao mundo das formas está sujeito à perda.
Por isto a segurança verdadeira está no que tange o espírito. São os valores que nós poderemos levar quando partirmos do mundo.

E, diante das dificuldades da vida, é sempre útil indagar até onde não teremos contribuído para o que estamos vivenciando.

E cabe-nos lutar para vencer esta dificuldade, sem revolta e sem desânimo, buscando desenvolver em nós as potencialidades do espírito, que nos fará mais fortes.

E estas potencialidades, as conquistas dos dons espirituais, quais sejam a fé, a força e a resignação(sem acomodação) perante a dor, não se faz por decretos e nem de improviso, mas através do exercício constante da fé e do bem junto aos irmãos de luta, especialmente junto aos mais necessitados, compartilhando a dor alheia. Isto faz com que passemos a redimensionar os próprios problemas e dificuldades, que se tornam pequenos, diante do bem estar de nos sentirmos úteis, quando fazemos algo que enobrece o nosso coração.

A tendência natural do ser humano é buscar o caminho fácil. E mais fácil é a porta larga do que a estreita, que nos exige esforço para atravessar.
Por isto o Mestre nos lançou a advertência que encontramos em Mateus:

“Entrai pela porta estreita; porque larga é a porta, e espaçoso o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela. E porque estreita é a porta, e apertado o caminho que leva à vida, e poucos há que a encontrem”.

Jesus nos convida ao esforço. Na luta para vencer as dificuldades é que vamos despertando os dons com que Deus nos dotou a todos. E este despertamento exige luta, e também exige a ação do tempo.
Em nossas dificuldades, Jesus nos exortou a termos confiança e esperança,

– “Não se vos turbe o coração, nem se atemorize. Crede em Deus, crede também em mim.”

Ele não prometeu facilidades. Prometeu auxílio, amparo a quem recorresse a Ele.
A vida exige trabalho, luta, determinação, coragem, desprendimento, paciência e resignação.
Lutemos. Após a madrugada escura, sempre haverá o alvorecer.

https://i2.wp.com/inleste.com/wp-content/uploads/2016/08/Dificuldades-site.jpg?fit=700%2C525https://i2.wp.com/inleste.com/wp-content/uploads/2016/08/Dificuldades-site.jpg?resize=150%2C150Marcília DornelasLuz interiorDeus,dificuldades,espírito,Jesus,luta,luz  odos temos dificuldades. Por mais que tenhamos a vida amena, em algum momento nos defrontamos com alguma situação alheia à nossa vontade, que nos traz sofrimento, decepção, e muitas vezes, frustrados, corremos o risco de entrar em desespero. Suportar as vicissitudes da vida sem uma estrutura espiritual forte é muito...Acontece na região leste de BH e Sabará